Arquivo da tag: resina

Sobre a prótese com implante dental

Google BookmarksEmailCompartilhar/Favoritos

A prótese sobre implantes é uma ótima opção para as pessoas que perderam um ou mais dente e querem ter seu sorriso e auto-estima de volta. A falta de um dente não implica apenas em alterações estéticas, já que isso pode afetar todo o sistema mastigatório.

Existem dois tipos de prótese sobre implantes, fixas ou removíveis. A primeira é feita para não ser mais removível, sendo cimentadas ou aparafusadas, que podem ser retiradas pelo dentista. Já a segunda opção, é presa ao implante por attachments ou encaixes e pode ser removida pelo paciente para higienização.

Alguns pacientes optam pela técnica com dentes individualizados ou ponte fixa, por achar que será melhor ou mais fácil para o dentista. Mas, no caso de dentes individualizados podem existir dificuldades como a perda óssea, que exige o enxerto ósseo, necessidades estéticas e perda de gengiva. Ou seja, o dentista terá que realizar mais procedimentos e o paciente precisará esperar mais para ter seu sorriso bonito novamente.

Na maioria dos casos, a melhor opção é fazer uma ponte fixa em resina ou porcelana que apresenta resultados e estética muito próxima dos dentes naturais. Mas, em todas as situações, o dentista vai analisar o resultado que pode ser alcançado, qual a melhor técnica e o desejo do paciente para determinar qual será o tratamento mais indicado.
Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Restaurações de resina e amálgama

Trocar as restaurações de amálgama pelas de resina, que são praticamente da cor dos dentes e ficam mais naturais, devem ser bem avaliadas antes de serem realizadas. O dentista precisa avaliar qual o estado da restauração e como a cárie está instalada no local. Cada paciente exige um tratamento diferente e a eficácia também depende de como a higiene bucal é realizada.

No geral, existem dois problemas que podem exigir a troca das restaurações: estético ou saúde do dente. Nos casos estéticos, a troca não é totalmente necessária, já que não existem implicações maiores para a troca, mas o procedimento pode ser realizado sem deixar dano algum no dente. Já nos casos de saúde, a mudança deve ser feita quando a restauração está fraturada ou com infiltrações por causa de cáries.

Quando a troca é feita o amálgama é retirado através do desgaste da restauração em si. O dente não sofre fraturas ou desgastes com o procedimento. Ela é dividida em porções menores e solta em blocos. Mas, quando existem pontos de cáries sob a restauração, o tecido cariado é totalmente removido.

Os dois tipos de materiais cumprem sua função de restaurar um dente que estava comprometido anteriormente. Mas, o amálgama pode durar até 15 anos, enquanto a resina tem vida útil de 8 anos. Isso ocorre porque quando o dentista aplica a luz para a resina edurecer, ela contrai, ajudando a proliferação de possíveis infiltrações.

Um ponto comum entre as duas restaurações é a limpeza. A higienização deve ser mantida regularmente e as visitas periódicas ao dentista para avaliar a condição das restaurações. Uma vantagem da resina é que ela pode ser reparada sem ter que acontecer a remoção de toda a restauração. Já no caso do amálgama, todo o material deve ser trocado, mesmo quando sua totalidade não for atingida.

Quem poderá decidir qual o melhor tipo de material para as restaurações é o dentista de confiança de cada paciente. O profissional precisa levar em conta as necessidades da pessoa e os resultados que podem ser alcançados para determinar qual é o tipo de restauração adequada.