Arquivo da tag: Tratamento

Tipos de doenças periodontais

Google BookmarksEmailCompartilhar/Favoritos

A doença periodontal é caracterizada pela infecção dos tecidos que envolvem e que sustentam os dentes. Ela é causada pela placa bacteriana, que é formada por uma camada de bactérias que se forma sobre os dentes e criam as toxinas que prejudicam as gengivas.

Existem cinco tipos de doenças periodontais: gengivite, periodontite crônica, periodontite agressiva, periodontite necrosante e periodontite como manifestação de doença sistêmica.

A gengivite é a forma mais comum e mais branda e afeta somente as gengivas. A periodontite crônica envolve o tecido ósseo e é a modalidade mais frequente. A periodontite agressiva é caracterizada por se manifestar em idades precoces e por sua progressão rápida. Ela também pode se manifestar em vários indivíduos da mesma família. A periodontite necrosante é uma forma altamente destrutiva, que precisa de tratamento rápido. Já a periodontite como manifestação sistêmica é caracterizada pela própria doença que pode agravar a saúde do paciente que possui doenças cardiovasculares e diabetes.

O sinal mais característico do problema é o sangramento. Além disso, alteração na posição dos dentes, inchaço, modificação na mobilidade, retrações gengivais e retenções de alimentos são indícios de que a doença já pode estar instalada.

Para realizar o tratamento, o paciente deve se dirigir ao dentista que vai retirar a placa através de raspagem e alisamento das raízes dos dentes. As cirurgias podem ser indicadas caso os procedimentos citados não atinjam toda a área da raiz comprometida. Mesmo com o tratamento adequado, podem haver sequelas como deslocamento na posição do dente e retração gengival. Para diminuir esses efeitos existem procedimentos cirúrgicos e protéticos.
Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

O que é gengivites?

A gengivite é uma inflamação na gengiva que está relacionada com a placa bacteriana, uma película e sem cor que se forma nos dentes e nas gengivas. Se ela não for removida pela escovação diária e pelo uso do fio dental produz as toxinas que irritam a mucosa e causam a gengivite.

O tratamento tem mais eficácia quando é feito no estágio inicial, pois os danos podem ser revertidos já que o osso e o tecido conjuntivo, que segura os dentes no lugar, ainda não foram atingidos. Mas, se a doença não for tratada, ela pode se tornar uma periodontite e trazer danos aos dentes, a mandíbula e ao maxilar.

Gengivas vermelhas, inchadas e sensíveis que sangram durante a escovação, retração da gengiva com o aumento da aparência dos dentes, bolsas entre os dentes e as gengivas são alguns dos sintomas da gengivite. Os pacientes também podem apresentar mau hálito e sentir o gosto dos alimentos de forma alterada. Assim que a pessoa perceber uma dessas características o correto é que ela procure seus dentista de confiança para confirmar o diagnóstico.

Para prevenir o problema, os pacientes devem manter uma boa higiene bucal com uma escovação correta e o uso de fio dental, para remover a placa, restos de comida e controlar o aparecimento de tártaro.
A alimentação correta e balanceada também ajuda na prevenção. As visitas periódicas ao dentista são essenciais para evitar a gengivite, além de outros problemas no futuro.
Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Sobre a prótese com implante dental

A prótese sobre implantes é uma ótima opção para as pessoas que perderam um ou mais dente e querem ter seu sorriso e auto-estima de volta. A falta de um dente não implica apenas em alterações estéticas, já que isso pode afetar todo o sistema mastigatório.

Existem dois tipos de prótese sobre implantes, fixas ou removíveis. A primeira é feita para não ser mais removível, sendo cimentadas ou aparafusadas, que podem ser retiradas pelo dentista. Já a segunda opção, é presa ao implante por attachments ou encaixes e pode ser removida pelo paciente para higienização.

Alguns pacientes optam pela técnica com dentes individualizados ou ponte fixa, por achar que será melhor ou mais fácil para o dentista. Mas, no caso de dentes individualizados podem existir dificuldades como a perda óssea, que exige o enxerto ósseo, necessidades estéticas e perda de gengiva. Ou seja, o dentista terá que realizar mais procedimentos e o paciente precisará esperar mais para ter seu sorriso bonito novamente.

Na maioria dos casos, a melhor opção é fazer uma ponte fixa em resina ou porcelana que apresenta resultados e estética muito próxima dos dentes naturais. Mas, em todas as situações, o dentista vai analisar o resultado que pode ser alcançado, qual a melhor técnica e o desejo do paciente para determinar qual será o tratamento mais indicado.
Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Perda ou agenesia do incisivo lateral

A perda de dentes pode acontecer com qualquer pessoa por traumas, acidentes, doenças ou mesmo por condições pré-existentes. A verdade é que ninguém gosta de ter um sorriso feio e de não poder apresentar seu cartão de visitas sem ter vergonha. Por isso, todos buscam tratamentos para ter seu sorriso sempre em dia.

Nos casos em que há perda ou agenesia do incisivo lateral, a sensação do paciente é pior, já que ele fica na frente da arcada dentária e sempre está à vista. Os planos de tratamento convencionais consistem no fechamento ou na reabertura de espaços. Os maiores problemas são as dificuldades na contenção, o comprometimento da oclusão funcional e do resultado final.

Entre as possibilidades de tratamento mais utilizadas e com maiores resultados estão a movimentação dos caninos ou a colocação e um implante. No primeiro caso, o canino é reposicionado para a forma e o tamanho do incisivo lateral por meio de uma combinação de desgaste e de restaurações utilizando a resina composta ou facetas laminadas de porcelana.

Já no caso dos implantes, antes de colocá-lo é preciso abrir ou manter o espaço para fazer a cirurgia. O paciente terá um novo elemento por meio de uma restauração artificial, que se bem feita, pode ter uma longa duração e deixar a área mais aparente da boca bonita e bem cuidada.

Depois dos tratamentos para a reabilitação da arcada dentária, o paciente também pode utilizar procedimentos que melhorem a estética, como clareamento, limpeza e outras modalidades que vão deixar a coloração e a aparência de todos os dentes iguais.

Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Parestesia pós-cirurgica

A parestesia é a sensação cutânea espontânea que as pessoas sentem normalmente, sem a necessidade de estimulação. Frio, calor, formigamento, pressões ou queimações são alguns exemplos. Quando a pessoa começa a não sentir esses estímulos é sinal de que alguma coisa está errada.

Isso pode acontecer quando algum nervo sensorial é afetado, pelo contato ou rompimento das terminações nervosas. A parestesia pode ser crônica ou se manifestar após alguma situação como em uma cirurgia.

A sensação de formigamento pode acontecer depois de uma anestesia ou por falta de circulação sanguínea, devido a obstrução momentânea da passagem do sangue. Nos casos odontológicos, o problema pode ocorrer depois de anestesias e também em cirurgias de implante, quando ele é colocado muito próximo do nervo alveolar. A parestesia temporária vai embora logo depois que a circulação volta o normal.

Existem diversas causas para a parestesia pós-cirurgia, entre elas: traumatismo de qualquer nervo e injeção de solução de anestésico contaminado por álcool ou solução esterilizante próximo a um nervo.

Normalmente, as parestesias afetam a região da língua e o lábio inferior e são resolvidas em oito semanas, sem a necessidade de tratamento. Ela só será permanente caso a lesão do nervo for grave.

Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

O que é ortopedia funcional dos maxilares

A ortopedia funcional dos maxilares, a OFM, é uma especialidade da odontologia que busca soluções para desequilíbrios ósseos, musculares, de funcionamento dos maxilares, de alinhamento dos dentes e problemas de articulação temporomandibular.

O tratamento consiste no uso de aparelhos removíveis que não deve causar dor e também não deve ter dentes extraídos. Pessoas em qualquer faixa etária podem optar por essa técnica. Os aparelhos estimulam a rede de neurônios sensoriais da boca, que levam a mensagem até o sistema nervoso central que responde com uma remodelação nas estruturas ósseas, musculares, articulares e funcionais.

Dessa forma, o sistema bucofacial é equilibrado com a normalização da estética da face e das funções exercidas pela boca. A OFM trata apnéia do sono, bruxismo, dentes tortos, dor na face, dores de cabeça e outros sintomas e doenças.

Já a ortodontia é especializada em tratar problemas ortodônticos e estéticos como apinhamento, diastemas, posição dos dentes, mordida cruzada e outros deste tipo. Além disso, eles se diferenciam pelos métodos de tratamento utilizados. Se na OFM a dor não acontece. O uso de aparelhos ortodônticos e a manutenção mensal sempre resultam em apertos ou em troca do fio.

Outra diferença está nos materiais, pois na ortopedia os aparelhos são removíveis, já na ortodontia o aparelho é fixo ou móvel e o contato entre ele e os dentes é constante. O dentista vai avaliar se qual o melhor tipo de tratamento para o paciente e definir qual a conduta mais indicada para chegar ao resultado desejado.

Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Bruxismo e o ranger de dentes

Dentes rangendo e barulhos na boca durante o sono são sinais de bruxismo, uma parafunção oral que pode ser causada por fatores emocionais, problemas físicos e outras razões. O hábito de ranger os dentes normalmente ocorre durante à noite, quando a pessoa está dormindo e não consegue ter controle das forças utilizadas. A parafunção atinge homens e mulheres e até mesmo crianças com dentição de leite, mista ou permanente.

Não existem causas específicas para o aparecimento do bruxismo, mas estudos apontam que o fator emocional pode piorar o problema. Além disso, disfunção e sobrecarga dos músculos mastigatórios, disfunção na articulação temporomandibular, estresse físico, interferência oclusal, patologias das vias aéreas superiores e perdas dentárias ajudam à agravar a parafunção.

Durante o sono, as pessoas com bruxismo realizam movimentos rítmicos, que lembram a mastigação, durante períodos longos de contração dos músculos mandibulares. Esse esforço utiliza as forças máximas de contrações e pode trazer fadiga e dor muscular.

Não existe uma causa exata para essa parafunção e por isso, é mais complicado determinar um tratamento específico para o problema. O tratamento deve ter como base a redução da tensão emocional e dos sinais e sintomas. O mais comum para aliviar a disfunção da articulação temporomandibular é o uso de placas interoclusais (de acrílico). Elas são utilizadas pelo paciente durante o sono e protegem os dentes do desgaste provocado pela movimentação. Além das placas, terapias psicológicas e sessões de fisioterapia podem se associar ao tratamento.

Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Prótese flexível em silicone

As próteses flexíveis podem substituir as próteses parciais removíveis ou as dentaduras. Elas são fabricadas com o material Flexite, uma resina flexível, que é utilizada como base para próteses e ajuda a corrigir falhas no acrílico convencional. Além disso, o produto é biocompatível e não quebra. Com essa técnica os ganchos de metal não são utilizados e o resultado fica mais natural.

O uso da prótese flexível é indicado para mantenedores de espaço, placas mio-relaxantes, pacientes idosos, especiais, provisórias para reabilitação com implantes, reabilitação oral, unilateral e bilateral. Com esse material as forças mastigatórias são distribuídas nas áreas dêntulas, evitando pressões nos dentes que restaram. As gengivas são estimuladas para ajudar a diminuir a reabsorção óssea.

Como o material é mais flexível e resistente, os danos são menores do que nas próteses convencionais. Com o material os dentes remanescentes não precisam de reparos, as forças mastigadoras são melhor distribuídas e em alguns casos é possível adicionar dentes.

O paciente que utiliza essa prótese consegue se adaptar com mais facilidade devido a sua flexibilidade e a sua espessura maior. O material também facilita a translucidez, já que ela simula a cor natural das gengivas e dos tecidos.

Como a prótese flexível é indicada para alguns casos específicos somente a avaliação do dentista especialista pode determinar o material e o tratamento que cada paciente deve seguir.

Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Cuidados com o aparelho removível

Todos os pacientes devem cuidar corretamente de seus aparelhos fixo ou móvel. As instruções e as dicas dadas pelo ortodontista devem ser seguidas para o tratamento funcionar e o resultado desejado ser alcançado.

Um dos maiores problemas para quem usa aparelho móvel é guardá-lo durante as refeições. Muitas pessoas esquecem o lugar onde ele foi guardado e depois precisam ir ao dentista novamente para fazer um novo. Neste caso, o tratamento é prejudicado já que é preciso tirar um novo molde e enviá-lo para a confecção.

Apesar da paralisação do tratamento não ser muito grande, cerca de um mês, o resultado final pode ser afetado e o principal problema é a perda dos avanços obtidos até o momento da interrupção. Na maioria dos casos, o aparelho móvel é guardado em um guardanapo antes da refeição e o paciente se esquece disso e acaba jogando o embrulho fora.

Outro problema é a conservação no dia a dia já que este tipo de aparelho é frágil. Casos de pessoas que se sentam sobre ele ou pisam é muito comum. Alguns pacientes também deixam o aparelho sem proteção, fora da caixa, que facilita a quebra e as deformações.

Consultoria: Clinica ImplArt – Estética dental e Implante dentário http://www.clinicaimplart.com.br

Implante contra a perda óssea

Os implantes dentários são uma boa opção para as pessoas que perderam um ou mais dentes. O procedimento é seguro, rápido e tem um ótimo resultado estético. Antes de começar o tratamento, o dentista vai avaliar a condição dentária do paciente e quanto melhor for essa avaliação mais fácil será o implante.

Muitos pacientes evitam os consultórios e tentam fugir da consultas, o que pode afetar ainda mais o estado dos dentes e o tamanho do tratamento no futuro. No caso dos implantes, quando o paciente espera muito tempo para tirar um dente que não pode ser salvo ou espera muito tempo depois da queda do dente para ir ao dentista pode ter grandes surpresas no futuro.

Ele pode sofrer com a atrofia e com a reabsorção óssea deixando sua boca murcha e sua fala alterada. Além disso, os ossos da região ficam com menos espessura e altura e pode ocorrer o aumento do tamanho do seio maxilar, o que impede a colocação de implante. Nesses casos, o dentista precisa utilizar enxertos ósseos para que a região possa receber o implante.

Apesar do procedimento ser casual para os dentistas, o paciente pode demorar mais tempo para terminar seu tratamento. Em casos em que é possível retirar o dente antes e usar um provisório no lugar é mais fácil ter esse trabalho antes do que esperar a reabsorção óssea para colocar o enxerto e só depois o implante.